Segunda, 24 Outubro 2016 17:32

A presença arriscada da Igreja na Somália

Escrito por

“Mesmo se tiver que ser no silêncio, ainda assim é melhor do que não estar”, é o que afirma Dom Giorgio Bertin, administrador apostólico de Mogadishu e bispo de Djibouti, se referindo à presença da Igreja Católica nessa parte da África, onde ele tem vivido e estado à serviço da Igreja por já há quase 40 anos.

Com desenhos e mensagens recolhidas de aproximadamente 1,2 milhão de crianças – cristãs e muçulmanas – em escolas de Homs, Alepo e Damasco (na Síria), os representantes das três principais igrejas do país levaram um apelo de paz à ONU e à União Europeia (UE).

Quinta, 20 Outubro 2016 11:20

Iraque: ACN divulga a retomada da planície de Nínive

Escrito por

Nesta quarta-feira, 19 de outubro, após dois anos da invasão da planície de Nínive, no Iraque, tomada pelo grupo Estado Islâmico (EI), o presidente executivo da Fundação Pontifícia ACN (Ajuda à Igreja que Sofre), Johannes Heeremann, informou a libertação da cidade de Qaraqosh, realizada pelas forças armadas locais na região. “Qaraqosh está livre. E aparentemente parte das comunidades vizinhas de Bartella e Karamlesh também foram libertadas”, disse Heeremann, após receber um comunicado emitido pela organização CAPNI (Christian Aid Program Nohadra - Iraq), que informava que os combatentes do EI deixaram o local sem qualquer resistência.

Quarta, 19 Outubro 2016 16:23

"Revolução contra violência"

Escrito por

Padre Jacques Mourad, um monge sírio que foi mantido em cativeiro pelo grupo Estado Islâmico (EI) por 5 meses, ainda clama por diálogo.

Terça, 18 Outubro 2016 15:49

Estrago do furacão Matthew em Cuba

Escrito por

“Sinceramente, não sei como começar a descrever o que aconteceu nestes dias” escreve Dom Wilfredo Pino Estévez, bispo da diocese cubana de Guantánamo-Baracoa numa mensagem à Fundação Pontifícia ACN (Ajuda à Igreja que Sofre) depois que o furacão Matthew, categorizado no nível 4, arrasou em poucas horas a parte leste da ilha na noite de segunda-feira, 4 de outubro. Graças a Deus, a solidariedade das pessoas e ao sistema de evacuação civil que Cuba tem praticado há anos, não houve nenhuma morte, embora a destruição tenha sido enorme.